Sobre sermos espirituais e vivermos como “santos”

No dia 01 de Novembro nós comemoramos o Dia de todos os Santos e nesse dia nós tivemos vários momentos de descontração no grupo da Autosofia, dizendo que esse era o dia de todos os Homens.
Eu gostaria de aproveitar essa descontração sobre os homens serem santos e comentar um pouco com vocês sobre santidade.
É obvio que nós ouvimos muito falar de santidade como sendo o resultado de um afastamento dos prazeres humanos. Costuma-se dizer que a pessoa santa é dedicada a uma causa espiritual e essa pessoa não fala palavrão, não é uma pessoa voltada para o sexo, e…
E eu gostaria de comentar um pouco com vocês qual é a percepção que eu tenho de santidade e essa percepção não é só minha, porque já vi outras pessoas despertas tendo essa mesma percepção.
O que eu considero como santidade é a coerência entre o falar, sentir e o agir. No momento em que nós estivermos vivendo com essa coerência, sendo o que estamos falando, agindo de acordo com o que realmente acreditamos e sentimos, isso é santidade.
É muito interessante nós prestarmos atenção nessa questão porque nós todos, homens e mulheres, qualquer que seja a nossa expressão, ao vivenciarmos essa coerência, nós estaremos exercitando essa santidade que é o alinhamento, a harmonização entre o pensar, falar e agir.
Quando estamos com esse alinhamento, nós somos criadores poderosos.
É obvio que essa é uma conquista, é um treino e na medida que formos conseguindo isso mais forte nos sentiremos e mais harmônicos também.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *